Seminário de Finalização do Projeto de Energia Heliotérmica

Foi realizado no dia 28 de setembro de 2017, em Brasília, o Seminário de Finalização do Projeto de Cooperação Internacional Energia Heliotérmica, parceria da Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável, por meio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH, e o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Durante o encontro, representantes de diversos setores relacionado à área de energia heliotérmica falaram sobre as conquistas do setor ao longo da vigência do projeto de cooperação, entre os anos de 2013 e 2017, e os rumos da tecnologia no Brasil e oportunidades futuras.

Participaram da mesa de abertura representantes da Embaixada da Alemanha e dos Ministérios de Minas e Energia (MME) e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). De acordo com a Conselheira Annette Windmeisser, da Embaixada Alemã, o Brasil é um parceiro estratégico da Alemanha na América Latina e a heliotermia “pode ser uma solução viável para o país; por isso, apoiamos o desenvolvimento dessa tecnologia”. O Coordenador de Planejamento Energético do MME, Carlos Alexandre Pires, ressaltou ainda a necessidade de valorizar toda e qualquer fonte de energia renovável na matriz energética brasileira. Segundo ele, o sucesso do projeto de cooperação “prova que estamos no caminho de manter o nosso país com uma das matrizes mais limpas do planeta”.

Em seguida, Tina Ziegler (GIZ) e Eduardo Soriano (MCTIC) apresentaram um panorama sobre o Estado da Arte em Energia Heliotérmica no Brasil. Enquanto Ziegler falou sobre a estrutura e os objetivos do projeto, que incluem o estabelecimento dos requisitos para disseminação da heliotermia no Brasil, Soriano apresentou alguns dos impactos do projeto, que incluem: permissão das usinas heliotérmicas em leilões de energia, inclusão da tecnologia entre as prioridades da Estratégia Nacional de Ciência Tecnologia & Inovação 2016-2020, instalação de vinte estações solarimétricas no país e oferecimento de cursos sobre energia heliotérmica em seis universidades do país. Para ele, o projeto “de forma geral, alcançou todos os objetivos esperados e, em alguns pontos, atendeu mais do que o esperado”.

O Seminário contou ainda com apresentações da ANEEL, sobre a chama estratégia de Pesquisa e Desenvolvimento 19/2015; da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), que abordou o planejamento de longo prazo em heliotermia no Brasil; da CHESF, sobre o encaminhamento do projeto básico de usina heliotérmica; e da ABRASOL, sobre as perspectivas para a helioterima não elétrica.

 

As apresentações realizadas durante o evento podem ser encontradas aqui, na Plataforma Online de Energia Heliotérmica, clicando neste link. Para ter acesso ao download, é necessário realizar o cadastro gratuito na Plataforma, no canto superior direito da página, e estar logado.