A importância de prever o vento em usinas de energia solar

Conhecer as variações climáticas e, especialmente, as mudanças das correntes de ar com antecedência permite realizar uma melhor gestão e manutenção das plantas solares, segundo a Abengoa, um dos principais grupos de energia renovável que trabalha com energia Heliotérmica. A empresa vem trabalhado na criação e desenvolvimento de modelos de previsão de vento.

Em plantas de energia solar, a área composta por dispositivos para capturar ou concentrar a energia do sol é chamada de campo solar. Esses campos são formados por um grande número de estruturas, chamadas refletores ou módulos, que podem ocupar áreas até mil hectares. O custo dessas estruturas é de aproximadamente 10% do orçamento total da planta, de modo que o dimensionamento deles e sua gestão e manutenção são essenciais.

O principal agente que determina a concepção e gestão das estruturas do campo solar é o vento, que tem uma natureza difícil de prever. A Abengoa tem projetado as estruturas a fim de resistir a todos os tipos de condições adversas quando elas estão em sua posição mais favorável para a concentração de calor do sol. No entanto, durante a operação da planta, elas podem estar vulneráveis e sofrer danos físicos.

A Abengoa Research, braço de pesquisa do grupo espanhol, está trabalhando no desenho e implementação de modelos para antecipar mudanças climáticas repentinas e, assim, colocar as estruturas em uma "posição defensiva", onde possa permanecer protegidas durante uma tempestade.

Pesquisadores estão estudando modelos matemáticos capazes de compilar estatísticas a partir de dados registrados e prever velocidade máxima do vento em um determinado espaço de tempo. Os modelos testados usam poderosas ferramentas matemáticas e o resultado permite uma gestão do campo solar funcional, abrangente, dinâmica e automatizada, o que garante a integridade estrutural dos campos solares, otimizando a produção da fábrica em funcionamento.