Relatório sobre renováveis destaca crescimento da heliotermia

A Rede de Políticas de Energias Renováveis para o século 21 (REN21) publicou em junho a visão geral do estado das energias renováveis. O Relatório da Situação Global das Energias Renováveis 2016 revela que as fontes renováveis de energia estão agora firmemente estabelecidas como competitivas e são as principais fontes de energia em vários países em todo o mundo.

2015 foi um ano recorde para as instalações de energias renováveis. A capacidade de geração de energia renovável teve o maior aumento já registrado, com uma estimativa de 147 gigawatts (GW) adicionais. Estes resultados foram impulsionados por vários fatores. Em primeiro lugar e, sobretudo, as renováveis já são competitivas em muitos países, em termos de custos, com os combustíveis fósseis. 

A capacidade heliotérmica continuou a se expandir em regiões em desenvolvimento, apoiados, em parte, pelos requisitos de conteúdo local associados a programas de aquisição de energia. Marrocos (160 MW), África do Sul (150 MW) e Estados Unidos (110 MW) foram países que tiveram instalações heliotérmicas inauguradas em 2015, elevando a capacidade total global em cerca de 10%. Hoje, a capacidade heliotérmica mundial já atingiu a marca de 4,8 GW.

No final do ano, estavam em construção usinas heliotérmicas em países como Marrocos (350 MW), África do Sul (200 MW), Israel (121 MW), Chile (110 MW), Arábia Saudita (100 MW), China (50 MW) e da Índia (25 MW), o que reflete uma mudança de mercados tradicionais (Espanha e Estados Unidos) para o desenvolvimento de regiões com altos níveis de irradiação direta normal (DNI).

Segundo Christine Lins, Secretária Executiva da REN21: “O que é verdadeiramente notável acerca destes resultados é que eles foram alcançados numa altura em que os preços dos combustíveis fósseis atingiram níveis historicamente baixos, e as renováveis mantiveram-se em situação de considerável desvantagem em termos de subsídios governamentais. Por cada dólar gasto para promover as renováveis, quase quatro dólares foram gastos para manter a nossa dependência de combustíveis fósseis”.

Outros fatores de crescimento incluem o melhor acesso a financiamento, preocupações relativamente à segurança energética e ambiental e o aumento da procura por serviços de energia modernos, nas economias em desenvolvimento e emergentes.

 

Veja o relatório completo, no site da REN 21, clicando aqui.