Energia solar pode ser a maior fonte mundial de eletricidade até 2050

A energia solar será a maior fonte mundial de eletricidade até 2050, de acordo com uma estimativa recente da Agência Internacional de Energia. Hoje, ela ainda é responsável por apenas 1% da produção mundial. No entanto, ao passo que as energias derivadas do petróleo ficam mais caras, as tecnologias de geração de energia a partir do Sol ganham espaço - e os preços vão continuar a cair conforme a tecnologia evolui e se torna mais acessível, como indica o relatório do Deutsche Bank, publicado em 26 de outubro de 2014.

A pesquisa indica a razão pela qual a geração de energia solar será cada vez mais dominante: é uma tecnologia, não um combustível. Dessa forma, a eficiência aumenta e os preços caem conforme o tempo passa, enquanto os preços dos combustíveis fósseis, que são limitados, tendem a  ir na direção oposta.  Em breve, a energia solar vai concorrer até mesmo com os combustíveis fósseis mais baratos em muitas regiões do planeta, incluindo países mais pobres, onde as plantas bilionárias de carvão nem sempre são práticas.

Por enquanto, independente da expansão da capacidade de produção, a energia solar não terá muito impacto sobre o preço das outras formas de energia.  Isso devido à pequena cota de mercado que ela detém. Mas, em breve, pela primeira vez, o inverso também poderá ser verdadeiro: os preços do gás e do carvão vão perder a sua influência sobre o setor de energia solar.

Nos Estados Unidos, a energia solar está a caminho de ser tão ou mais barata que os preços médios de eletricidade em quarenta e sete estados; e isso deve ocorrer já em 2016, segundo o relatório do Deutsche Bank. Isso supondo que os EUA mantenham os 30% de crédito tributário sobre os custos do sistema. Mesmo que o crédito caia para 10%, a energia solar ainda vai atingir paridade  de preços com a eletricidade convencional em trinta e seis estados, mais da metade do país.

A energia solar já atingiu paridade de rede em 10 estados, que são responsáveis ​​por 90% da produção de eletricidade solar nos EUA. Nesses estados isoladamente, o crescimento da capacidade instalada aumentará seis vezes ao longo dos próximos três ou quatro anos, escreveu Vishal Shah, analista do Deutsche Bank.