Transfer of policies to foster energy storage deployment

Armazenamento
Brasil
Desafio

Transfer of policies to foster energy storage deployment

A energia heliotérmica com armazenamento é considerado a opção para geração de eletricidade no Brasil. No entanto, a situação atual no Brasil não é favorável à implantação de tecnologias. A transferência de certas políticas e instrumentos, já aplicados em outros países como Chile, a China, a Índia, Marrocos, a África do Sul, a Espanha e os EUA, pode ajudar a apoiar a heliotermia com armazenamento no Brasil. Olhando para as políticas energéticas nesses países, destaca-se o portfólio de políticas que oferecem possíveis soluções para desencadear uma implantação efetiva de energia heliotermica com armazenamento.

Segundo o estudo Transfer of policies to foster energy storage deployment: the case of concentrated solar power in Brazil, feito pelo pesquisador Robin Jeschall, da Universidade de Ciências Aplicadas de Colônia, e publicado pelo Projeto Energia Heliotérmica, o Brasil tem boas condições para se tornar um mercado para a heliotermia, que pode diversificar a matriz elétrica no Brasil que, atualmente, depende principalmente das capacidades de geração de energia hidrelétrica.

No artigo, são elaboradas oito lições que destacam os fatores que influenciam os projetos heliotérmicos considerando custos de investimento e tecnologia, LCOE, problemas de licenciamento e esquemas de compensação. Combinando essas lições e os problemas identificados para o caso do Brasil, existem sete recomendações derivadas. As recomendações consideram a redução de custos e financiamento de tecnologia, preços de carbono, licenciamento e remuneração para a tecnologia no Brasil. Com isso, é elaborado um portfólio de ferramentas que apoia a tomada de decisões do formulador de políticas para criar regulamentos para a haleiotermia com armazenamento no Brasil.

Transfer of policies to foster energy storage deployment: the case of concentrated solar power in Brazil
Robin Jeschall
2016
English
Estudos