Início / Energia Heliotérmica / Oportunidades e desafios

Oportunidades e desafios

A usina heliotérmica chega ao seu maior grau de eficiência quando é instalada em regiões com baixa presença de nuvens, altos níveis de radiação solar e terrenos planos. O Brasil é um país com rico potencial, especialmente na região Nordeste, que oferece excelentes condições climáticas para a implantação de usinas heliotérmicas.

Estas áreas áridas costumam ser desocupadas, pois são pouco produtivas para a agricultura ou pecuária. A instalação de uma usina heliotérmica, por outro lado, pode levar ao desenvolvimento regional: uma usina cria postos de trabalho diretos na construção e manutenção da planta heliotérmica e postos indiretos nas indústrias fornecedoras para o novo mercado.

A alta produtividade da indústria brasileira e do setor energético favorece a implementação da heliotermia no Brasil. Grande parte dos componentes e instalações necessários em usinas heliotérmicas são os mesmos utilizados em usinas convencionais. Portanto, um projeto heliotérmico cria demanda para a indústria nacional já existente.

Como a heliotermia ainda é uma tecnologia em estado de desenvolvimento, ela proporciona diversas oportunidades de inovação industrial e capacitação de pessoas. Ainda que países como a Alemanha, Espanha e os Estados-Unidos sejam líderes na tecnologia heliotérmica, o Brasil tem o potencial de garantir um lugar nessa vanguarda mundial. Assim, pesquisadores brasileiros estão tomando os primeiros passos para adaptar a tecnologia e trocar conhecimento com projetos internacionais. O setor industrial está descobrindo o potencial inovador da tecnologia e empresas brasileiras começam a dirigir recursos ao desenvolvimento deste mercado.

Como toda tecnologia em fase de introdução no mercado, a heliotermia tem de enfrentar alguns desafios. Apesar do constante desenvolvimento, a tecnologia ainda não chegou ao grau de maturidade necessário para competir diretamente com as fontes de energia já estabelecidas no mercado. Portanto, o custo inicial para a implementação de usinas heliotérmicas ainda é elevado.

É difícil prever o investimento inicial para a instalação de uma usina heliotérmica, uma vez que depende de vários fatores condicionais: a potência da usina, o recurso solar, a capacidade do armazenamento térmico, o tamanho do campo solar, a taxa de juros dos bancos, a existência ou não de um seguro e de programas de fomento do governo, a quantidade de itens importados e sua taxa de importação – essas são somente algumas das variáveis que determinam o preço final do projeto heliotérmico. Um pré-estudo minucioso é de grande importância para o sucesso do projeto.  

A tecnologia heliotérmica ainda não existe no mercado energético brasileiro. Por isso, poucas pessoas são formadas para projetar ou trabalhar em uma planta heliotérmica. Para o sucesso da heliotermia no Brasil, a criação de oportunidades de formação formal para profissões na área é indispensável.